quarta-feira, outubro 29, 2008

Count down

O cartaz a anunciar a exposição acabou de ser colocado agorinha mesmo à porta do Instituto Camões, e eu não quis deixar de assinalar o facto juntamente com o seu criador e meu amigo João Athayde Melo. Saravah!

Adenda: esquecia-me de dizer que acompanha a exposição (além dos salgadinhos e do Porto) um belíssimo texto sobre o olhar, da autoria do escritor Calane da Silva, que a seu tempo muito provavelmente aqui será publicado.

terça-feira, outubro 28, 2008

não perquem....

a grande entrevista a Lobo Antunes em Nova York:
(uma gentileza do Expresso online)

Mozart no escritório

video

quinta-feira, outubro 23, 2008


Este amigo teve a gentileza de me colocar numa lista de blogs seus preferidos. Não sei se mereço, mas não quero deixar de agradecer aqui a simpatia. Infelizmente, e como a única corrente de que gosto é a corrente do Golfo, talvez não dê, por agora, seguimento a esta. Mas prometo pensar um pouco e talvez divulgue mais tarde quais os links da minha preferência. Talvez... e um abraço ao António.

clic na imagem, veja os resultados, e já agora vote também.

segunda-feira, outubro 20, 2008

canta Malangatana

video
na Malhangalene

quarta-feira, outubro 15, 2008

clic para ver o último debate

terça-feira, outubro 14, 2008

A memória mais antiga

"A memória mais antiga que temos dele é do som da sua voz, quando ainda lhe cabíamos no colo e ele nos embalava com os mistérios do mato, dos ani­mais, do mundo mágico do cinema, do teatro e da fotografia.
«Isso faz-me lembrar uma história...» Quantas vezes ao longo dos anos não ouvimos isto? Quantas vezes não bastava um pequeno pormenor, uma palavra, um vulto que passava, uma expressão escutada, uma música, uma fotografia, uma pintura, a referência a um livro ou autor, para que ele fosse por aí fora, desfiando memórias deliciosas de um tempo perdido.
A família, os amigos, todos sabem como qualquer detalhe serve para que mais um pedaço de uma vida cheia nos fosse desvendado.
«Isso faz-me lembrar uma história...» E lá ia ele, pelas ruas da Alfama dos anos 20 do século passado, pelos estúdios da Tobis da época áurea do cine­ma português, pela prisão dos Açores, por um recanto remoto da Angola dos anos 50.
Estivéssemos à mesa de jantar, numa tertúlia com amigos; estivesse ele no autocarro da Carris, apanhado anos a fio, manhãzinha cedo, a caminho da CGTP Tudo servia para nele despertar uma memória. E quem o ouvia sorria, na certeza de encontrar ali uma história política, um pormenor pitoresco, o descrever de um tipo humano, tantas vezes razões para se emocionar.
Vantagens dos cabelos brancos, dirão da facilidade com que desfiava memórias como quem respira. Vantagens de quem viveu uma vida cheia, dizemos nós. De quem lutou pela liberdade num tempo em que era palavra proibida, de quem privou com vultos maiores do cinema português, de quem palmilhou (a expressão é a correcta, foi mesmo palmo a palmo) aquele semi-continente selvagem e maravilhoso que é Angola.
Mas o João que nós conhecemos não é só o magnífico contador de estorias. É um pai atento e um avô dedicado. Firme na hora de nos fazer estudar e respeitar os compromissos. Pleno de energia quando nos levava a nadar, a jogar à bola ou a correr pela marginal. Cada um de nós tem as suas ideias e seguiu livremente o seu caminho. Mas todos, sem excepção, fomos beber ao que o João nos ensinou quando se tratava de respeitar o próximo, lutar por uma sociedade mais justa ou não perdermos nunca a capacidade de nos indignarmos perante uma injustiça.
Há uns poucos anos, quando as pernas deixaram de lhe responder com a rapidez que a cabeça pedia, decidiu-se. «Como é isso dos blogues?», pergun­tou, naquela curiosidade permanente de miúdo, com os olhinhos a brilhar. De então para cá, dezenas, centenas de histórias foram sendo postas a escrito. Sem outro critério que não fosse o ir pondo no papel (ou melhor, no ecrã) episódios que viveu. Ingénuos, uns, dolorosos outros, alegres, outros ainda. Mas episódios que dificilmente nos deixam indiferentes. Não é uma história do último século que aqui é posta a escrito. Longe disso. Mas são histórias, episódios, que ajudam a perceber aquilo que somos e de onde vimos.
«Isso faz-me lembrar uma história...»


Quero agradecer à minha irmã Ofélia este belo texto do prefácio, e ao meu amigo Jorge, por ter lá estado, pela foto, e sobretudo por ser meu amigo. Um abração, marreco!

(a propósito, na foto está o meu Pai e o meu filho mais velho)

sexta-feira, outubro 10, 2008

Ca Gay


no Parlamento Português vota-se hoje se as e os homosexuais podem casar ou não. Cá por mim...

O dragão de papel

"Os tempos mudaram mas os métodos são os mesmos: ontem a China maoísta enganava-nos com a propaganda, hoje Pequim joga e faz bluff. Nos aspectos económico, político e social ou diplomático o Império do Meio tem contornos de um dragão de papel: mil famílias comunistas continuam a governar o país, as liberdades são inexistentes, o Partido joga com as estatísticas económicas, as empresas mais importantes são propriedade do Estado e o «milagre económico» assenta na pirataria, na contrafacção e num Made in China de pacotilha. Um tremendo fosso social separa meia dúzia de ricos de uma massa de pobres…Não, o futuro do Mundo não está nas mãos da China!"
O grande bluff chinês, um livro de Thierry Wolton

quinta-feira, outubro 09, 2008

As mais bonitas regatas do Mundo

Na Martinica.
Para ver o vídeo clic na imagem.

(esta é para ti Rodrigo)

quarta-feira, outubro 08, 2008

A bronca e o bronco

Ouvi ontem com algum espanto, na Sic Notícias, e a pedido do Mário Crespo, o inenarrável Joe Berardo, que tem nome e cabeça de boxeur, explicar a crise financeira americana à malta. Com aquela sua linguagem tão simples, acho que todos os broncos hádem ter percebido.

Num país a sério

"Num país a sério onde quem manda é o partido, já que o partido é o povo e o povo é o partido, isto nunca seria pensável."

terça-feira, outubro 07, 2008

Beleza a preto e branco

Serão as meninas brancas mais bonitas que as negras?

A propósito, também vale a pena ler isto.

sexta-feira, outubro 03, 2008

...M'ESPANTO ÀS VEZES , OUTRAS M'AVERGONHO ...

(Pacheco Pereira na Revista Sábado)

Rocha Chenaider

depois do blog, um livro... e um orgulho enorme deste filho.

quinta-feira, outubro 02, 2008

Olhos nos olhos

ontem na Escola Primária Polana Caniço

Será razoável, para um espírito prático, ser de esquerda hoje em dia em Portugal?

Se há pessoa neste mundo que conhece a esquerda, e a conhece por dentro, essa pessoa sou eu — e é uma chusma ingovernável.